GALERIA
PROF. JOSÉ CALASANS

Recebeu, inicialmente, a denominação de Espaço da Memória, um ambiente destinado às exposições temporárias, com mostras temáticas do acervo deste museu que encontra-se acondicionado em sua Reserva Técnica.

Os temas contemplados são referentes a datas comemorativas de fatos relevantes da história do Brasil. Esta prática possibilita retratar e celebrar fatos históricos significativos, através das coleções museológica e bibliotecária desta Instituição.
 

Esta galeria recebeu a atual denominação, em 2015, como uma das atividades celebrativas do centenário do Prof. José Calasans Brandão da Silva, ex-diretor do Departamento de Estudos e Publicações desta Casa de Cultura. Foi prestado, assim, uma justa e merecida homenagem a esse historiador que tanto contribuiu com educação e cultura da Bahia.

PATRONO

José Calasans Brandão da Silva nasceu em Aracaju (SE). Bacharel em Direito, tornou-se docente-livre de História do Brasil da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal da Bahia. José Calasans atuou em diversas atividades no âmbito da cultura. Foi delegado do Serviço do patrimônio Histórico Artístico Nacional em Sergipe, delegado do SENAC em Sergipe e também na Bahia, foi professor catedrático de História Moderna e Contemporânea da Faculdade de Filosofia da Bahia.

 

Na UFBA, foi vice-diretor da Faculdade de Filosofia, professor adjunto de Antropologia, chefe do Departamento de História entre os anos de 1968 a 1984. Foi Diretor da Faculdade de Filosofia e Vice-Reitor da Universidade Federal da Bahia (1980-1984). José Calasans foi sócio do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, do qual foi também vice-presidente, presidiu o Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe, sócio correspondente do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, sócio correspondente da Academia Sergipana de Letras, dirigiu o Centro de Estudos Baianos (UFBA), o Instituto Genealógico da Bahia, além de sócio correspondente do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB). Foi eleito para a Academia de Letras da Bahia em 27 de setembro de 1962, tomando posse na cadeira de número 28, em 11 de novembro de 1963. 

 

Foi presidente da ALB entre os anos de 1971-1972. Publicou numerosos artigos sobre história em instituições especializadas. Profundo conhecedor de Canudos, tema central de seus estudos, pesquisou sobre Antonio Conselheiro e outros assuntos relacionados aos sertões.

© 2020. Desenvolvido por Hugo Bispo.